9 de jun de 2011

REFORMA POLÍTICA COM ZÉ DIRCEU, BERZOINI E SELMA ROCHA

José Dirceu de Oliveira e Silva nasceu na cidade de Passa Quatro, Minas Gerais, em 16 de março de 1946. Formou-se em Direito, em 1983, pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP).
José Dirceu, jovem militante e lider estudantil
Mudou-se para São Paulo, em 1961, para estudar e trabalhar. Em 1965, iniciou o curso de Direito na PUC-SP e se tornou líder do movimento estudantil, chegando à presidência da União Estadual dos Estudantes, da qual é presidente de honra. Foi preso pela ditadura militar, em 1968, ao participar do 30º Congresso da União Nacional dos Estudantes, em Ibiúna (SP), organizado na clandestinidade.

Um dos 15 presos libertados por exigência dos seqüestradores do embaixador norte-americano Charles Burke Elbrick, foi banido do país. Durante o exílio, trabalhou e estudou em Cuba, tendo voltado clandestinamente ao país por duas vezes. Na primeira, permaneceu no Brasil entre 1971 e 1972. Voltou, em 1974, quando residiu em Cruzeiro do Oeste, no Paraná, por cinco anos. Com a anistia, voltou à legalidade, em dezembro de 1979.

Participou ativamente da fundação do Partido dos Trabalhadores, em 1980, e do movimento pela anistia para os processados e condenados por atuação política. Também fez parte da coordenação da campanha pelas eleições diretas para presidente da República, em 1984.
De 1981 a 1983, foi secretário de Formação Política do PT; de 1983 a 1987, secretário-geral do Diretório Regional do PT de São Paulo; e de 1987 a 1993 foi secretário-geral do Diretório Nacional. Entre 1981 e 1986 foi assistente jurídico, auxiliar parlamentar e assessor técnico na Assembléia Legislativa de São Paulo.
Em 1986 foi eleito deputado estadual em São Paulo. Em 1990 elegeu-se deputado federal e em 1994 candidatou-se ao governo de São Paulo, recebendo dois milhões de votos. Voltou a se eleger deputado federal em 1998 e 2002, quando foi o segundo mais votado do país, com 556.563 votos. Na Câmara dos Deputados, assinou, com Eduardo Suplicy, requerimento propondo a “CPI do PC” (Paulo César Farias), que levou ao impeachment do presidente Fernando Collor de Mello. Também participou da elaboração dos projetos de reforma do Judiciário, da Segurança Pública e do sistema político.
Em 1995 assumiu a presidência do PT, sendo reeleito por três vezes. Na última, em 2001, foi escolhido diretamente pelos filiados da legenda em um processo inédito no Brasil de eleições diretas para todas direções de um partido político. Ocupou a função até 2002, quando se licenciou para participar do governo do presidente Lula. Integrante da coordenação das campanhas de Luiz Inácio Lula da Silva à Presidência da República em 1989, 1994 e 1998, foi o coordenador-geral em 2002. Com a vitória de Lula, assumiu a função de coordenador político da equipe de transição.

Em janeiro de 2003, José Dirceu assumiu a cadeira de deputado federal, mas logo se licenciou para assumir a função de ministro-chefe da Casa Civil da Presidência da República, permanecendo no cargo até junho de 2005, quando retornou à Câmara dos Deputados. Seu mandato foi cassado em dezembro do mesmo ano e teve a inelegibilidade decretada por oito anos.

Ricardo Berzoini
Ricardo Berzoini tem 50 anos, está em seu terceiro mandato como deputado federal e é filiado ao PT desde sua fundação. Foi, durante 4 anos, presidente nacional do Partido dos Trabalhadores (2005-2010), eleito e reeleito pela militância do PT. Assumiu a presidência do PT na maior crise vivida pelo partido, conduzindo o PT ao patamar mais alto na preferência popular na sua história. Dirigente sindical, foi Presidente do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região e Presidente da Confederação Nacional dos Bancários da CUT.

Em 2003, foi convidado por Lula a assumir o Ministério da Previdência, e em 2004, para ser Ministro do Trabalho. Presidiu o Conselho Curador do FGTS e foi membro do Conselho de Administração do BNDES.

Sempre em defesa da participação popular e contra a flexibilização do direitos dos trabalhadores, Berzoini defende as políticas públicas implementadas pelo presidente Lula e pelo PT. É casado e pai de três filhos.




Selma Rocha - Graduada em História e mestre em História pela USP. 

Lecionou na Escola de Sociologia e Política de São Paulo e na PUC. Foi assessora da Secretaria Municipal de Educação de São Paulo (1989-1996); secretária municipal de Educação de Santo André (1997-2000); presidente do Conselho de Curadores da Fundação Santo André (1997-2000); chefe de gabinete da Secretaria Municipal de Educação de São Paulo (2000-2001); membro do Conselho Curador da Fundação Perseu Abramo (1996-2003) e Diretora da entidade durante a gestão 2004-2008. Foi consultora da Secretaria Municipal de Educação de Niterói.

Fonte: Forum da Zona Norte - 06.06.2011 

Um comentário:

Magui disse...

Desejo sucesso no encontro.Tenho certeza que será produtivo. Qt ao dizer acima : Cassado sem provas, condenado sem julgamento, quero lembrar que isto não é novidade na política nacional e que Collor passou pela mesma experiência.Em tempo: Considero os dois derrubados pelos inimigos não atendidos.