11 de fev de 2011

A mais importante tarefa de cada militante

 
O que estava em jogo na última eleição presidencial era a possibilidade de avançarmos o debate político-ideológico, aproveitando a decadência das políticas neoliberais no mundo, mas que ainda resistem no Brasil num setor do centro-direita e com amplo apoio da imprensa local. Enquanto o mundo se desloca das alternativas de Estado mínimo, a agenda da direita brasileira a é a mesma pré-setembro de 2008.
 
Pela primeira vez os projetos alternativos voltam ao palco no Brasil e no mundo depois de 19 anos de massacre e pensamento único; a direita tinha seu projeto e era incontestável, hoje ela não tem projeto, apenas administra (mal e porcamente) a crise gigantesca, mas ainda não achou um novo cabedal político e ideológico para ancorar.

Foi trazida de contrabando ao palco eleitoral uma inflexão da candidatura de centro-direita, representada por Serra, à direita mais raivosa, com algumas nuances neofascistas. O debate foi empobrecido por temas de costumes (aborto, religião) e não políticos totalizantes como a questão do Estado, da economia, perspectiva da relação do Brasil com o G20 e a agenda para entrarmos noutro patamar de país que emerge do ambiente pós-crise de setembro de 2008.

Rebaixado o debate político, talvez pela leitura de que seria impossível derrotar a candidatura governista nos marcos de um debate programático mais elevado, mais ainda pela total falta de projeto alternativo ou que pudesse efetivamente se diferenciar, a opção foi reduzir e insuflar uma campanha que beirou o ódio nos temas relacionados a costumes.

Novo governo, velhas polêmicas

Cenário atual

Direita americana mais radical é a religiosa, trata Obama como bolchevique, pode acreditar, está cada dia mais xenófobo e alguns estados aprovam leis mais restritivas aos imigrantes. Na França, Sarkozy, que já estigmatizara os mulçumanos, agora quer deportar em massa os ciganos. Espanha, mesmo governada pelo PSOE, restringe os direitos dos estrangeiros, pois há desemprego em massa.

A revolução egípcia que varreu Mubarak do poder depois de 30 anos com amplas massas nas ruas é a prova concreta de que a boa e velha luta de classes está mais viva do que nunca, não importam avanços tecnológicos e científicos: quando desemprego, corrupção e ditadura estão juntos têm-se as melhores condições de derrubada de regime.

Esta nova onda de lutas de massas em países africanos e árabes é o resultado geral do aprofundamento da crise econômica aberta em setembro de 2008; os países centrais exigem cada vez mais pagamento dos empréstimos fáceis anteriores à crise, os governos locais, para cumprir as novas demandas, aprofundam políticas mais restritivas, piorando o desemprego e a miséria em geral. Estas massas sublevadas aparentemente não possuem uma direção política clara, podendo inclusive ser capturada nos ideários dos regimes à la Irã dos aiatolás.

No Brasil, a esquerda brasileira (PT) ocupou um espectro mais amplo, tomou o centro do PSDB; sobrou apenas a direita mais raivosa, fundamentalista. Este deslocamento de forças e projetos ainda não se deu por completo no imaginário popular. O PT ainda é identificado como esquerda raivosa, muitos “absorveram” Lula, mas é fato que ainda temem o PT. Isto é reforçado por um discurso extremamente preconceituoso de Serra, que afaga a direita.

A mobilidade do PT rumo ao centro independe de Lula, foi a realidade que o empurrou ao centro — para ter maior interlocução com outras forças que fazem o jogo político no Brasil, tirando do PSDB a hegemonia na sociedade.

Entender o que estava em jogo é a mais importante das tarefas de cada militante. Há que explicar pacientemente a cada um as questões subjacentes aos grandes debates, que novas e velhas demandas aparecem ou reaparecem com força, mas não podemos nos agarrar a este debate menor e esquecer a luta principal.

Dilma no governo

É preciso reconhecer o grande gênio político de Lula, que conseguiu trazer ao centro político uma mulher como herdeira, que fez a síntese de um governo com grandes acertos históricos, apoio popular e identidade nacional. Governos que recuperam a autoestima, o sentido de brasilidade.

Se com Lula tivemos um operário, sem curso superior, de origem extremamente humilde chegando ao maior cargo do Brasil, com Dilma teremos o ineditismo de uma mulher na presidência, descontada a bobagem da Miriam Leitão de falar em princesa Isabel: claro está que efetivamente, pela via popular e democrática, as mulheres efetivamente chegaram ao centro do poder nessa eleição.

Agora Dilma fará seu próprio governo que, a meu ver, será mais técnico, mais voltado para questões da reorganização do Estado. Em seu discurso da vitória ela já apontou as principais diretrizes políticas e econômicas para o novo período.

A carga simbólica desta verdadeira revolução de termos Dilma presidenta é comparável à de Obama, um negro, chegar â Casa Branca, fruto de um momento ímpar da história mundial. O Brasil tem a chance de ingressar de vez no Primeiro Mundo, mas entrar pela porta da frente, sem modismos, ocupando seu lugar com força e liderança.

O Brasil e a grande crise que ainda não acabou

Aos primeiros sinais da crise Lula, falou que ela seria uma “marolinha”, quase foi massacrado pela mídia e seus acólitos no parlamento. Porém ele jogou todo seu patrimônio político no combate à crise. Enfrentou-a de peito aberto, com o significativo pronunciamento do Natal de 2008.

Lula jogou todas as forças e recursos do Estado para que o Brasil fosse pouco atingido pelos efeitos da crise. Importante lembrar os coveiros (Miriam Leitão, Sardenberg, PSDB e DEM), que torciam, entusiasmados com a possibilidade de derrotar o governo. Todo dia comemoravam um número ruim que saía. Em abril chegaram a dizer que o desemprego explodiria em 2009, que a geração de novos empregos seria nula. No parlamento a ‘“marolinha” era motivo de chacota, os programas eleitorais do DEM/PSDB/PPS repetiam as piadas sobre a crise.

Logo em junho a situação se inverteu, o pior passara, o crescimento seria ZERO, mas no mundo todo seria em média de -4%, ou seja, estávamos no lucro. A previsão de geração de emprego foi de 1 milhão.

Apesar do excelente ano de 2010 para economia brasileira, persiste no mundo um quadro de baixa recuperação da economia combinado um processo acelerado de inflação de alimentos que atinge diretamente as camadas mais pobres. Diante deste cenário as medidas tomadas pela equipe econômica de Dilma apontam para o caminho da restrição ao consumo, diminuição das compras estatais, não contratação de novos servidores. O grande capital perdeu eleição com seu candidato principal, mas mesmo assim abocanha os maiores ganhos com a manutenção do esforço fiscal e pagar os juros e o aumento da Selic.

Desolador é ver que setores da esquerda debatendo o Ministério da Cultura e a verdadeira luta de classes se perpetua nas medidas econômicas. Focar a nossa luta e a disputa político-ideológica é a maior tarefa militante, discutir as questões secundárias é o caminho de perder as oportunidades do debate mais central e decisivo.
    
Por Arnobio Rocha - 11.02.2011

Do Teia Livre

Nenhum comentário: