11 de jan de 2011

Programa Alaga São Paulo de José Serra é um sucesso em 2011


Essa é a camiseta do ano passado.


Do blop Limpinho e Cheirosinho -  11.01.2011


O Limpinho reproduz tex-to de Celso Jardim, publi-cado no Blog da Dilma, e resgata algumas notícias de 2009 e 2010, além de um vídeo do Zé Alagão co-mentando as enchentes de 2009 e 2010.

Depois de passar três anos sem limpar a calha do rio Tietê, o programa demotu-cano do ex-governador de São Paulo é um sucesso ab-soluto: para a cidade, causa mortes e prejuízos à popu-lação. Como diz a música da banda Ira!: “Pobre São Paulo, pobre paulista”.

Celso Jardim

O governo José Serra (2006–2010) cortou as verbas para o desassoreamento do rio. Com isso, perdeu-se todo o dinheiro investido no rebaixamento da calha do Tietê. Mais que isso: provocou a maior enchente da história de São Paulo.

Essa informação foi sonegada dos leitores da velha mídia. Deixaram a bomba com o prefeito Gilberto Kassab – que assumiu a linha de frente da batalha da informação –, enquanto Serra se escondia e sua enorme responsabilidade era varrida para baixo do tapete.

Mesmo depois das enchentes, não houve um só movimento dele para voltar com os investimentos no desassoreamento do rio.

No Estado de São Paulo, no início de 2010, cerca de 70 pessoas já haviam morrido em decorrência dos desabamentos e afogamentos; 132 cidades paulistas tinham sido atingidas por inundações e desmoronamentos; bairros da capital e 26 municípios do interior estavam alagados.

Este é o cenário resultante do descaso do governo, que passou a investir mais em publicidade do que em obras.

De acordo com dados do orçamento do Estado, em 2010 houve redução de 20% nas operações de combate a enchentes. Em 2009, foram previstos R$252 milhões; já em 2010, estão estimados R$200 milhões – uma queda de R$51,5 milhões.

Os números revelam que será cortado quase o dobro do valor dos atuais contratos para desassoreamento da calha do Rio Tietê, que somam R$27,2 milhões. O orçamento estadual também prevê menos investimentos em serviços e obras complementares da Bacia do Alto Tietê. O corte proposto para 2010 é de 61%. Já no Departamento de Água e Energia Elétrica, órgão do governo responsável pelas obras da calha do Tietê, foi previsto um corte de R$20,3 milhões.

A gestão do ex-governador Serra passou três anos sem limpar o Tietê antes das enchentes de 2009/2010, e os caos se repete em 2011.




O Limpinho resgatou algumas notícias da administração demotucana de 2009 e 2010:

Clique aqui para ler a notícia de 8/12/2009, “São Paulo mergulha no caos; José Serra não se pronuncia”

Clique aqui para ler a notícia de 9/12/2009, “Contrariando Kassab, números mostram que SP já teve mais chuva com menos caos”

Clique aqui para ler a notícia de 9/12/2009, “Prefeitura deixou de investir R$353 mi contra enchentes”

Clique aqui para ler a notícia de 24/2/2010, “Limpeza de córregos é nula em 13 subprefeituras de São Paulo”

Clique aqui para ler a notícia de 27/2/2010, “Em entrega de ciclovia, Serra se recusa a falar sobre chuvas”

Clique aqui para ler a notícia de 28/2/2010 “Serra vai ter coragem de fugir do Jardim Romano para ser candidato a Presidente?”

Do Diário Oficial de São Paulo, em 16/9/2003, descoberto pelo NaMaria News.

Clique na imagem para ampliar

Nenhum comentário: