23 de nov de 2012

Após adquirir a Webjet, Gol extingue a empresa

Foto: Flight reporter
Depois de ter comprado a Webjet – com autorização obtida no último 10 de outubro em decisão do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) - a Gol Linhas Aéreas anunciou hoje (23) o encerramento das atividades da empresa recém-adquirida. A presidenta do Sindicato Nacional dos Aeroviários (SNA), Selma Balbino, já foi informada pela Gol que 850 funcionários da Webjet serão demitidos.

Em nota, o SNA diz que, só no Rio de Janeiro, serão demitidos 40 profissionais de operação nas áreas de check in e balcão, além de 40 mecânicos. Ainda segundo o sindicato, no dia 30 de outubro o diretor de Recursos Humanos da Gol, Jean Carlo Alves Nogueira, havia negado a possibilidade de demissão em massa no setor de manutenção da Webjet.

De acordo com o sindicato, o diretor teria informado, no entanto, que, quando duas empresas se juntam, costuma haver excedente de mão de obra, mas que não procedia o alarmismo sobre demissões em massa.

No site da Webjet, a Gol garante que, com a extinção das operações de voo da empresa recém-adquirida, passará a se responsabilizar pela continuidade dos serviços de transporte aéreo e pela assistência a todos os clientes da Webjet. O atendimento aos clientes passará a ser feito nos balcões da Gol.

O Cade aprovou a compra por unanimidade, mas impôs restrições e exigiu a assinatura de um termo de compromisso de desempenho (TCD) com relação à atuação das empresas no Aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro. Pelo acordo, a Gol e a Webjet não poderiam cancelar mais de 15 de cada 100 pousos ou decolagens previstas no aeroporto. O primeiro anúncio da compra é de 2011.

Pedro Peduzzi - Agência Brasil 
----------------------------------------------------------
Leia também

Sindicato cobra da Gol prioridade de contratação para demitidos da Webjet

 O Sindicato Nacional dos Aeroviários (SNA) informou hoje (23) que vai dar orientação jurídica aos funcionários da sua base de atuação que serão demitidos da companhia aérea Webjet, no caso de dispensas que não cumprirem a convenção coletiva de trabalho da categoria. A categoria também quer prioridade da Gol Linhas Aéreas para a recontratação dos demitidos.

De acordo com a presidenta do SNA, Selma Balbino, a entidade pediu um comprovante por escrito da Gol que garanta prioridade aos funcionários agora demitidos no caso de necessidade de futuras contratações.

Ainda segundo Selma Balbino, na base do sindicato, que abrange 23 unidades da Federação, serão demitidos 40 profissionais de operação, entre check in e balcão, e 40 mecânicos. O número de trabalhadores que atuam nesses dois setores é 510 e 150, respectivamente.

No total, 850 funcionários serão demitidos. O fim das atividades da Webjet foi anunciado nesta sexta-feira pela Gol, que havia comprado a empresa em julho de 2011. A operação foi aprovada, no entanto, somente em 10 de outubro passado pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

“Eu acredito que o maior número de demissões ocorrerá em São Paulo, onde ficava o hub [centro de conexão] da Webjet”, disse Selma Balbino à Agência Brasil. O estado de São Paulo, assim como Pernambuco e Rio Grande do Sul, não integra a base do SNA.

A dirigente sindical informou ainda que há 20 dias enviou uma carta à direção do Gol cobrando informações sobre o encerramento das atividades da Webjet e o cumprimento da convenção coletiva no caso de demissões. Somente nesta sexta-feira, segundo a entidade, recebeu do diretor de recursos humanos da Gol, Jean Carlos Alves Nogueira, a confirmação das demissões.

Paulo Virgilio - Agência Brasil - 23.11.12
Leia também

Gol anuncia fim da WebJet e corte de 850 empregos

 


Nenhum comentário: