10 de jan de 2012

Petistas rejeitam oferta de Kassab a Lula


Aliados de Haddad afirmam que PT não deve ceder vice a prefeito, que propôs coligação a ex-presidente em SP

Para vereador, acordo com PSD seria 'traição'; dirigente tenta esfriar polêmica para preservar acordos fora da capital




FSP - BERNARDO MELLO FRANCO - DE SÃO PAULO/ CATIA SEABRA - DE BRASÍLIa


Petistas reagiram ontem com irritação à proposta de aliança feita ao ex-presidente Lula pelo prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (PSD).
Ele sugeriu a Lula escolher um político de seu partido para vice na chapa de Fernando Haddad (PT) à prefeitura.
A oferta gerou uma onda de protestos na bancada petista na Câmara Municipal.
"Não há possibilidade de negociar com Kassab. Nossos projetos são antagônicos. Seria uma traição à base eleitoral do PT", disse o vereador petista Chico Macena. "Isso é desespero para pegar carona na popularidade de Lula."
O líder do PT na Câmara, Italo Cardoso, disse que seria "muito difícil" justificar uma aliança com o prefeito depois de seis anos de embates.
"Temos que fazer uma campanha de oposição. Não podemos fingir que concordamos com tudo o que Kassab fez nos últimos anos."
O ex-ministro José Dirceu também criticou o flerte em seu blog: "É um retrato do isolamento e da confusão em que vive a oposição tucana e seus atuais e ex-aliados."
O tom dos ataques ao prefeito preocupou o presidente estadual do PT, Edinho Silva, que negocia alianças com o PSD em outros municípios paulistas. Ele tentou esfriar a polêmica para preservar os acordos fora da capital.
"Não podemos cometer o erro de abrir uma crise por uma proposta que não foi formalizada. Nossas conversas com o PSD nunca envolveram a capital", disse o dirigente.
Em conversas reservadas, dois pré-candidatos do PSDB disseram ver o gesto de Kassab como tentativa de pressionar a sigla a abrir mão de uma chapa própria e apoiar Afif Domingos (PSD), preferido do prefeito à sua sucessão.
O presidente municipal do PSDB, Julio Semeghini, se declarou surpreso com o aliado. "Estamos trabalhando por uma candidatura única com o PSD e queremos contar com Kassab na campanha", disse.
O prefeito cobra uma resposta antes das prévias tucanas, marcadas para março.
Aliada de Kassab, a prefeita de Ribeirão Preto, Dárcy Vera (PSD), afirmou que a "indefinição" e a "soberba" do PSDB aproximam seu partido dos petistas na capital.

---------------------------------------------------
Agência Estado


Petistas reagiram hoje com surpresa e descrença ao tomarem conhecimento sobre a suposta proposta feita na semana passada pelo prefeito de São Paulo Gilberto Kassab ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Segundo a edição desta semana da revista Veja, Kassab teria oferecido um quadro do PSD para ser o vice na chapa encabeçada pelo ministro da Educação, Fernando Haddad, à sua sucessão. "Ninguém da Executiva do partido estava sabendo disso", disse o vereador Chico Macena, secretário de Comunicação do PT paulistano.
Proposta teria surgido em conversa entre Lula eassab na semana passada
Na ausência do presidente do diretório municipal, vereador Antonio Donato, Macena falou em nome da sigla e disse não acreditar que essa conversa tenha acontecido. "Não acredito nisso. Em São Paulo, temos um projeto diferente do Kassab", ressaltou. "Eu nem acredito nessa intenção do prefeito de indicar alguém. A intenção do Kassab é indicar um candidato dele", emendou. A assessoria de imprensa do ex-presidente Lula disse que ele não irá comentar o assunto.
Em abril de 2011, um documento lançado pelo diretório municipal deixou claro que, mesmo com a aproximação de Kassab à base da presidenta Dilma Rousseff, o PT seria oposição ao PSD na cidade de São Paulo por representar um projeto antagônico. Os petistas rechaçam a possibilidade de Lula levar a proposta de Kassab em consideração e impor um vice do PSD. "O Lula não tem essa intenção. Ele não faria isso", acrescentou Macena.
A aproximação com o partido de Kassab está fora de negociação, garantiu o vereador paulistano José Américo, que integra o conselho político da pré-candidatura de Haddad. "Isso não está em cogitação", reforçou.
Uma liderança do PT vê na movimentação de Kassab o interesse em pressionar o PSDB por uma aliança, seja em torno do nome do vice-governador Guilherme Afif Domingos (PSD) ou do lançamento da candidatura do ex-governador José Serra (PSDB). "Ele pode ter jogado essa para se valorizar com o PSDB. Acho que não é para valer", avaliou. Kassab também se dispôs a uma aliança com os tucanos, os quais ainda avaliam a proposta. "Acho que ele está dando um cheque mate do outro lado", concluiu o petista.
O presidente do diretório estadual do PT, deputado estadual Edinho Silva, disse desconhecer a proposta de Kassab. Incomodado com os rumores sobre a conversa entre Lula e Kassab, o deputado afirmou que só pretende se posicionar sobre o assunto quando houver uma formalização da negociação. "Esse negócio está muito estranho, não vou opinar sobre isso", ponderou.


Por Eneas Soares - 10.01.12

Um comentário:

RLocatelli Digital disse...

Aliança do PT com PSD? Se ocorrer, é mais um passo do PT para longe da população.