13 de ago de 2010

Serra prega construção de 400 quilômetros de metrô no país e diz ter entregue 26 estações durante o mandato Dados oficiais indicam apenas quatro


Daniela Almeida - CB - 13/08/2010 
 
São Paulo — Depois da controvérsia causada por dados citados pelo candidato José Serra (PSDB) e rebatidos pelo governo em relação à Saúde, informações divergentes em relação ao metrô no estado de São Paulo foram mencionadas pelo tucano, ontem, na capital paulista. Segundo o ex-governador, foram entregues 26 estações no programa Expansão São Paulo, mas dados oficiais da Secretaria dos Transportes Metropolitanos dão conta de que foram entregues quatro estações nos últimos três anos.

“Aqui já foram 26 estações se você considerar as novas e as que foram totalmente refeitas na CPTM (a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos). Isso é um recorde na história”, disse Serra, logo após passeio em um dos trens da CPTM para a gravação de cenas de seu programa eleitoral. Informações da secretaria apontam a entrega de quatro estações e 4,7 quilômetros de linhas no programa Expansão SP, programa que tem como objetivo a ampliação das linhas de transporte metropolitano por meio da integração do metrô e de trens, o chamado metrô de superfície.


Serra embarcou numa viagem de metrô pela capital para gravar cenas para o horário eleitoral.
Questionado sobre o atraso no programa, o ex-prefeito da capital paulista e ex-governador do estado minimizou a polêmica. “Estão sendo feitos quilômetros e mais quilômetros. Atrasos são ajustes naturais. Teremos 20 quilômetros a mais de metrô até o fim do ano em São Paulo”, afirmou. Segundo o candidato, são investidos R$ 20 bilhões por ano em São Paulo para a reforma e construção de novas estações.

Extensão
Serra prometeu ainda que, caso eleito, fará um programa para construir 400 quilômetros de metrô no Brasil para atender cidades com mais de 500 mil habitantes, onde os gastos com desapropriações são menores, o que reduziria o custo das obras. Segundo o candidato, seriam necessários cerca de R$ 45 bilhões. Os recursos viriam, segundo ele, do Tesouro Nacional, dos estados, municípios, da iniciativa privada e de financiamentos nacionais e estrangeiros.

“Dá perfeitamente para fazer isso no Brasil nos próximos anos. Em quatro anos você começa e, em alguns casos, você termina porque se trata de prolongar, de concluir obras.” Serra citou empreendimentos deste porte que estão parados, como os casos de Salvador e Fortaleza, e afirmou que falta empenho federal no assunto. Entre as grandes cidades que enfrentam problemas com o metrô, o candidato elencou Porto Alegre (RS), Curitiba (PR), Belo Horizonte (MG), Rio de Janeiro (RJ), Recife (PE) e Goiânia (GO). “Praticamente no Brasil os metrôs foram paralisados.”

Pedidos
Serra enfrentou também muitas cobranças de melhorias e críticas. A doméstica Raquel Azevedo pediu que o candidato fizesse o mesmo percurso às 18h para ver o “sufoco” que ela passava naquele horário. A enfermeira Maria Aparecida Donizete aproveitou a aparição de Serra para pedir melhorias na Saúde. “A Zona Sul está descoberta ainda. Falta principalmente médico.” Após o compromisso, o governador deixou o local de carro.

Nenhum comentário: