18 de abr de 2010

Serra e as privatizações: a foto que ele não mostra


Por Rodrigo Vianna - Blog o Escrevinhador - 16.04.2010  

Recebo, do leitor Giovani, uma foto que José Serra não gostará de ver exibida durante a campanha eleitoral: o então ministro do Planejamento (!) de FHC aparece durante o leilão de uma companhia elétrica, a ESCELSA.

A legenda, no canto à direita, informa: "a privatização do setor tinha, então, início oficial". Isso foi em 1995.  

-------------------------------------------------------------------------------------------------------- 

Leia também 

 

Empresas de telefonia cobram tarifas abusivas e precarizam atendimento em todo país

--------------------------------------------------------------------------------------------------------


A "privatização do setor" - os brasileiros não esquecem - conduziria o Brasil ao Apagão, no glorioso segundo mandato de FHC.

A foto - que está num livro sobre os 40 anos da Eletrosul - fazia parte do acervo da extinta Bolsa do Rio.


Com a imagem, o leitor Giovani enviou-me singela legenda:
"Ele ficou bonito na foto né?  Isso é característico nas pessoas que trabalham naquilo que gostam"
Maldade do Giovani...
Serra nem pode ser apresentado como o campeão das privatizações entre os tucanos. Havia gente com muito mais disposição para vender tudo - inclusive Banco do Brasil e Petrobrax (como eles diziam) , se tivessem tido a oportunidade.
Sobre a farra privatista, não há exagero nenhum em dizer que os tucanos queriam vender  Banco do Brasil; vejam aqui o que o Paulo Henrique Amorim publicou: documento de 1999 mostra que a privatização do BB estava em estudo dentro do governo FHC  no Conversa Afiada

Serra fez parte daquele governo. Era ministro de FHC, segurou o martelo com gosto, e apareceu na foto.
A foto pegava bem naquela época, em que se dizia que o Estado era "o atraso".... Época em que FHC prometia "enterrar a Era Vargas".

Mas a foto pode assustar eleitores hoje, quando o Estado se mostrou fundamental para que  Brasil enfrentasse a crise de 2008.

Parte da base de apoio dos tucanos, especialmente na classe média, segue a acreditar que  "o Estado é atraso". Serra terá que agradar essa gente, ao mesmo tempo em que precisa mostrar que não voltarão os tempos das privatizações a preço de banana, do desrespeito com o patrimônio público brasileiro.

Será uma campanha de malabarista. Pra isso, Serra já escalou Jabor pra defender a privatização da Infraero, enquanto ele - o candidato - diz que "veja bem, eu não quero privatizar, posso só conceder uns aeroportos por aí" no Escrevinhador

Talvez Serra pudesse produzir outra foto, colorida! É só consultar o Alckmin, que em 2006 posou de forma inesquecível para as lentes, a mostrar que não tinha nada de "privatista"...

3 comentários:

Valdecy Alves disse...

Olá. Leia matéria sobre a audiência pública na Câmara Municipal de Fortaleza, onde se debateu sobre a violação ao piso dos professores pelo Município de Fortaleza e estratégias de luta. A matéria é um resumo do ocorrido, bem como um resumo da minha fala como advogado do SINDIUTE. seguida de encaminhamentos. A LUTA ESTÁ A TODO VAPOR EM TODO O PAÍS! O piso será aquele que a QUALIDADE DA LUTA IMPUSER

alex disse...

GOOGLE E YOUTUBE - JUNTOS NA CAMPANHA DO SERRA

Henrique Marques Porto disse, no Blog do Nassif:

19/04/2010 - 08:04
Globo: como afrontar o TSE e se tornar uma ameaça real
Por Stanley Burburinho

19/04/2010 às 11:04
Nassif e amigos,
Reparem nas indicações de vídeos similiares que aparece na barra do YouTube ao final do vídeo. São 15 indicaçoes de vídeos ditos “similares”. Desses, 12 são discursos de Serra; um do FHC falando sobre a privatização da Vale e outro de um sujeito, que não faço idéia quem seja, repetindo o slogan serrista. Em apenas um único vídeo aparece o Lula em discurso recente. A coisa é realmente descarada. Mais do que isso: é grave.
O normal seria que o YouTube relacionasse ao vídeo alguns outros de campanhas institucionais ou vinhetas e programas da TV Globo. Quer dizer, Google e YouTube também entraram na campanha de Serra.
abraços
Henrique Marques Porto

http://colunistas.ig.com.br/luisnassif/2010/04/19/globo-como-afrontar-o-tse-e-se-tornar-uma-ameaca-real/#comments

JBmartins disse...

Ao contrário do Palmeiras, esse porco ainda tem força no Brasil

O PT segue calado, quase amortecido. À sombra de Lula.

Trata-se de um erro.

Lula uma vez disse: "que ninguém, nunca mais, ouse duvidar da capacidade de luta da classe trabalhadora".

Mas é preciso lembrar: "que ninguém, jamais, ouse subestimar a capacidade de manipulação da elite brasileira e de sua imprensa oligárquica".

Por que lembro disso?

Semana passada, participei de um debate no Sindicato dos Bancários de São Paulo, sobre internet e eleições.

Minha avaliação, que expus aos sindicalistas, é a seguinte:

1) devemos comemorar o papel dos blogs e redes sociais, como contraponto à velha imprensa;

2) mas não podemos superestimar o papel da chamada blogosfera.

Ainda falamos para um público limitado. Incomodamos, é verdade. Tanto que a Globo teve que suspender o comercial serrista dos 45 anos da emissora - http://www.rodrigovianna.com.br/radar-da-midia/a-globo-e-o-clip-pro-serra-foi-sem-querer-querendo.

Mas não dá pra comparar nosso poder de fogo com a artilharia pesada de Globo, Veja e - em menor escala - de Folha, Estadão, Zero Hora, Correio Braziliense, RBS...

Fazemos guerrilha. Eles tem o exército convencional.

O poder da velha imprensa diminuiu bastante, é verdade. Mas é preciso lembrar que em 2006, por exemplo, a eleição só foi ao segundo turno graças ao bombardeio contra Lula nas duas últimas semanas de campanha. Marcos Coimbra analisou isso de forma precisa - http://mariafro.com.br/wordpress/?p=188.

Quem fez a diferença em 2006? A Globo, sobretudo.

A Globo tem chance de ganhar a eleição para Serra em 2010? Sozinha, não.

2010 não é 1989, quando a Globo "fez" de Collor o presidente.

Mas a Globo e seus alidos do café Millenium podem - sim - garantir 5% ou 6% dos votos, percentual suficiente para decidir um pleito que deve ser tão disputado.

Há um outro detalhe a ressaltar. A Globo precisa agir de forma um pouco mais dissimulada do que seus aliados Milenares. Veja, Folha e Estadão falam para guetos conservadores. A Globo fala para todo Brasil.

Tudo que a TV carioca não quer é ter Lula por aí a dizer: "a Globo é inimiga do povo". Tudo que a Globo não quer é ganhar o rótulo de antipopular.

Pois é o que Lula deveria fazer...

Sei que no começo do ano o presidente recebeu os Marinho para um conversa. Em tese, uma tentativa de aplainar terreno em ano eleitoral. Os Marinho fingem que ficaram "bonzinhos". Mas Ali Kamel segue na coleira, pronto para ser lançado contra a candidata de Lula.

Depois do recuo da Globo no episódio do clip serrista, imaginem que a a emissora dos Marinho pode se fingir de "neutra" nos próximos 4 ou 5 meses. Afinal vem aí Copa do Mundo, depois o horário político ganha peso...

Mas, na reta final, o povão volta a acompanhar o noticiário, pra decidir. Se a Globo farejar que pode dar o empurrão final para garantir a vitória a Serra, Ali Kamel vai sair da coleira para agir.

Em 2006, foi exatamente assim.

Subestimar o papel do "Jornal Nacional" numa reta final de eleição é desconhecer o que ainda é o Brasil. O Brasil não é a blogosfera!

O PT, estranhamente, segue calado. À sombra de Lula.

Foi preciso um rapaz (Marcelo Branco) - que nem tem mandato político - vir a público botar a Globo contra a parede no episódio do clip serista.

No caso DataSerra, foi preciso um deputado do PDT subir à tribuna para cobrar providências - http://www.rodrigovianna.com.br/outras-palavras/caso-dataserra-chega-a-camara-e-brizola-nao-o-pt.

O partido do presidente e de Dilma não se manifesta.

Salto alto? Talvez...