21 de out de 2009

Gripe suína avança no hemisfério norte

Por Luiz Carlos Azenha - 20.10.09

Texto: Conceição Lemes

No final de junho, julho e agosto, boa parte da mídia corporativa brasileira aterrorizou a população com a influenza A (H1N1), a gripe suína. Um desvario. Por trás, um objetivo torpe: fazer política com notícias de notícias sobre saúde.

No afã de desacreditar o plano do Ministério da Saúde para a nova gripe e atingir o governo federal, valeu tudo. Até invocar o pequeno número de casos e ouso generalizado do Tamiflu no Reino Unido, para fazer crer que a situação aqui estava fora de controle e a conduta, equivocada.

De nada adiantavam as explicações de que, no hemisfério norte, o vírus A (H1N1) começou a se espalhar no verão, quando há menos doenças respiratórias. Logo, era natural que a incidência de gripe, comum ou suína, fosse menor nesses países. Já no hemisfério sul, incluindo Brasil, a disseminação se deu em pleno inverno e o impacto, obviamente, seria maior. Afinal, nos meses frios, no mundo inteiro, aumentam as doenças respiratórias, entre as quais as gripes.

Pois boletins divulgados nos últimos dias pelo Centro Europeu de Controle de Doenças e pela Organização Mundial de Saúde (OMS) demonstram o que já era previsto. Com o aumento das temperaturas no hemisfério sul, se observa em alguns países – inclusive no Brasil – a queda na transmissão de gripe suína. Já no hemisfério norte, com a proximidade do inverno, ocorre o inverso.

Atentem para este mapa da OMS. É o retrato mais recente da tendência das doenças respiratórias no mundo.

gripe_su__na____mapa.jpg

As áreas em azulão são onde os casos de gripe suína já estão aumentando. Por exemplo, Estados Unidos, Canadá, México, Reino Unido e Espanha. Fazendo fronteira com o Brasil ao norte, a Colômbia.

Em azul um pouco mais claro estão as áreas onde a situação permanece inalterada em relação à semana anterior. Grande parte do Chile se encaixa aí. Já nas regiões em azul claro – por exemplo, Brasil, Bolívia, Peru e Venezuela –, os casos estão diminuindo.

No Brasil, especificamente, o número de casos graves causados pela nova gripe caiu 97,3%. Passou de 2.828 registros (8 de agosto) para 78 (10 de outubro), segundo o boletim epidemiológico do Ministério da Saúde divulgado nessa segunda-feira. E, do início da pandemia a 10 de outubro, 1.368 pessoas morreram; 135 eram gestantes.

Como a atualização dos dados de alguns países não está sendo feita de forma uniforme, o Ministério da Saúde teve de interromper a comparação de óbitos do Brasil em relação ao restante do mundo. Mas, supondo que todos estivessem adotando os mesmos critérios para mortalidade, teríamos, com os dados disponíveis hoje, o cenário abaixo. Lembrem-se de que a taxa de mortalidade considera o número de óbitos por 100 mil habitantes.

Gripe_Su__na____tabela.jpg

O Brasil, que ocupava o quinto país em taxa de mortalidade, subiu para quarto. No Reino Unido, o número de óbitos foi de 86 para 106. Em conseqüência, a taxa de mortalidade foi de 0,11 para 0, 17.

Mas o que mais chamam a atenção são estas duas situações:

1) Os Estados Unidos, um dos países com maior número de casos, não atualizam os dados desde 5 de setembro. Na mesma época, mudaram o critério de classificação de mortes. Em 30 de agosto, o país zerou as estatísticas. Desde então, o Centro de Controle e Prevenção de Doenças, o CDC de Atlanta, contabiliza os óbitos causados não apenas pelo vírus da gripe suína, mas também as mortes associadas a qualquer tipo de influenza, mais a combinação pneumonia+influenza. Pela nova definição de caso adotada pelo governo americano, de 30 de agosto a 3 de outubro, houve 240 mortes associadas a qualquer tipo de influenza mais 1.544 mortes por pneumonia e influenza. As informações estão no site do CDC

2) Curiosamente o México tem a mesma taxa de mortalidade que o Canadá. Considerando que a pandemia começou lá e o seu sistema público de saúde é precaríssimo, ao contrário do canadense, essa taxa de mortalidade é, no mínimo, estranha.

A propósito: quais seriam as manchetes da nossa mídia se um desses lances tivesse acontecido no Brasil?

Nenhum comentário: